Não há razão para amar
10 de janeiro de 2020
A mais difícil das conquistas
23 de janeiro de 2020

Quando se vê

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal…
Quando se vê, já terminou o ano…  (Mário Quintana)

O poema foi propositalmente e precisamente pausado, pois o próximo verso diria que perdemos o amor da nossa vida, e não é o que queremos representar aqui. Nessa correria que a vida se tornou, atropelamos e deixamos de viver muitas ocasiões e, quando se vê, já passou, já não se pode mais retornar o tempo e suas oportunidades e festejos. E mesmo com o tempo rugindo e passando apressado, é bom olhar para trás e constatar que o amor se fortaleceu, que ele aumentou e prevaleceu em meio a tantos obstáculos. Como é bom comemorar e viver cada etapa que surge em nossas vidas e, isso nossos antepassados sabiam fazer com maestria. Comemorava-se início de namoro, muitas vezes com um jantar para receber o novo namorado enquanto a família permanecia ansiosa pelo pedido formal. Sim, os namoros eram pedidos formalmente aos pais e comemorava-se. E ansiosos aguardavam o pedido de noivado.

Ainda hoje, mesmo diante de tantas coisas efêmeras, muitos casais rendem-se ao pedido de noivado, comemorando a decisão de caminhar para o casamento e, juntos, sonham e planejam a vida que almejam. E é assim que deve ser, comemorar cada etapa da vida, sonhar em cada uma delas, pois os sonhos alimentam a alma, renovam as expectativas e dão o combustível necessários para viver cada dia.

Tradicionalmente, o anel de noivado é usado somente pela mulher, mas muitos casais preferem trocar alianças e demonstrarem, dessa forma, o compromisso que firmam perante todos. Os anéis de noivado usados pelas mulheres são, geralmente, com alguma pedra especial. E, quando as alianças são usadas pelo casal, podem ser de prata ou de ouro, conforme a preferência.

Independente de que anel usarão, bom é a vivência do momento, a alegria da espera, o compartilhar com a família e amigos esse momento de tamanha cumplicidade e planejamentos.

Bom é viver esse momento, sem permitir que seja mais uma etapa que deixamos passar. E quando se vê já veio o casamento, já vieram os filhos, e lá ficaram as comemorações, em algum lugar não vivido. Não! Não é isso que a vida pede. Ela quer ser vivida de forma intensa, para que os amores fiquem, os sonhos se solidifiquem, as lembranças se eternizem. Assim são as alianças, um símbolo para eternizar momentos, para acalentar as lembranças dos sonhos vividos, acariciar o tempo e nos mostrar, sempre que são vistas, que uma etapa foi vivida, sonhada, planejada, comemorada e tudo o que se almejou se concretizou, trazendo novos motivos de comemorações.

Quando se vê, descobre-se que as alianças foram com a felicidade…