Vena Amoris – uma ligação de alma e corpo

Curiosidade sobre casamento
12 de maio de 2014
Não há razão para amar
10 de janeiro de 2020

Vena Amoris – uma ligação de alma e corpo

Quantas tradições milenares nós seguimos e, muitas vezes, sem saber de onde exatamente surgiram esses costumes. Seguimos os costumes passados por nossos avós e nossos pais e repassamos aos nossos filhos e netos.

Um desses costumes, que ainda hoje traz tanta alegria, é a troca de alianças. Mas, você já se perguntou quando surgiu essa ideia de usar esse círculo que não tem começo nem fim para simbolizar a união de duas pessoas?

Os egípcios, por volta de 2800 a.C. usavam esse anel sem início e sem fim para demonstrar a eternidade, simbolizando como deveria ser a união matrimonial. Até mesmo o círculo no meio, significava a abertura para um mundo desconhecido. As alianças eram confeccionadas com materiais de durabilidade como couro, mármore ou ossos.

Os romanos seguiram o costume e foram eles que iniciaram o uso no dedo anelar por acreditarem que nesse dedo passava a veia ligada ao coração, a qual eles chamavam de Vena Amoris, ou seja, veia do amor. Hoje, já sabemos que essa informação não é verdadeira, mas a simbologia ainda continua, principalmente, utilizada pelos mais românticos.

Os gregos, descobriram o magnetismo e usavam as alianças com material imantado, acreditando que, dessa forma, os dois estariam eternamente atraídos um pelo outro.

Os árabes poderosos utilizavam uma aliança que se desmontava caso fosse retirada do dedo, isso se dava como um controle, impedindo a infidelidade, já que, se a mulher retirasse a aliança do dedo, essa se desmontaria e somente poderia ser montado por quem tivesse habilidade, e a deslealdade de esposa seria descoberta.

Foi na Europa, talvez, o início do significado mais poético desse objeto tão milenar. O seu nome era “anel de poesia” e era uma forma de demonstrar afeto à pessoa presenteada e significava uma promessa de fidelidade e amor e não era somente usado por ocasião do casamento.

O Vaticano adotou entre os cristãos o costume já utilizado pelos romanos por decreto no ano 860, instituído pelo Papa Nicolau, como uma forma pública de declaração dos noivos de seu compromisso.

A palavra aliança vem do latim alligare, que significa ligar-se a, e representa o compromisso mútuo e a união, e tem diversas explicações dependendo de cada religião, cultura ou país. Houve um tempo entre os povos romanos que somente a mulher usava a aliança e tinha um significado mais ligado à posse do que algo poético e filosófico.

Atravessando milênios, as alianças estão aí até hoje, para simbolizar essa união de almas e corpos, e atravessaram o tempo sendo confeccionadas de diversas formas e estilos. Há os que preferem as tradicionais lisas e outros que preferem as trabalhadas e delicadas. Alguns gostam que elas venham com pérolas e estas podem significar que o belo pode surgir das adversidades se estas forem superadas. Homens e mulheres podem utilizar alianças diferentes sem perder o significado que carregam em si e, na grande maioria das vezes é feita em ouro por ser o material de maior durabilidade.

Mais importante que saber de onde veio culturalmente, ou qual significado seria o mais adequado é ter um símbolo que o casal possa ter junto a si do amor que os une, lembrando a cada um todos os dias que estão ligados por um sentimento nobre, de troca, de doação e de aperfeiçoamento.